15/10: alguns livros

15/10
Cheguei na casa umas 18:00 hs, a Mari e o Henrique estavam saindo, o Gui resolveu levá-los no metrô e voltar. Fiquei conversando com a Tetê e a Tainá, coisas gerais.
Daí o Gui voltou e conversamos longamente sobre algumas fotos e processos dele e questões gerais de fotografia, cruzando umas referências teóricas com livros da Roni Horn e do Robert Frank.
O Deco Farkas pousou lá durante essa conversa, que, entre livros, fotos e digressões, foi até uma 21:30.

Lista de livros que levei para a casa:

Ricardo Basbaum (org.): Arte Contemporânea Brasileira: Dicções, Ficções, Estratégias. Volume básico, pela coletânea de textos de artistas e críticos sobre a arte brasileira a partir dos anos 1960/70. Achei que pode ser útil ao grupo. E como está esgotado e é muito difícil de achar, fica por lá este mês.

Jairo Ferreira: Cinema de Invenção. Inventário crítico de uma produção de cinema radical brasileiro, dos anos 60 até os anos 90. Interessantemente, tem lá um “Hiperdiálogo” entre o Artur Omar e o Carlão Rienchenbach que fui eu quem editou, na época em que era editor de cultura na Super11.net (qualquer um dos dois, que estão vivos, pode confirmar isso). Não tem crédito, mas tem lá sua graça que tenha sido editada, senão ia ter desaparecido.

Falo dos outros livros depois. Está tarde e post grande ninguém lê… hehehe.

Início das Atividades

O primeiro post. Justamente para falar sobre o primeiro dia. Que não ocorreu…foi adiado.

Pela sucessão de eventos e pendências que se acumulam em nossas vidas e que nos cobram tbm.

Uma pena, mas hoje não consegui ir.

Mas de certa forma também, serve para que eu possa falar um pouco sobre minha expectativa. Pretendia ter publicado ontem o que faço agora.

Acho primeiramente muito legal a proposta das meninas que conheci por conta do acaso. Um acaso por afinidades e que vão puxando outros “acasos” também. Muito legal a idéia de juntar as pessoas, porque pra mim, essa é uma questão pertinente. E muito importante conseguir viabilizar a proposta.

Penso que nos primeiros dias, me dedicarei a estudar o espaço da casa através de registros. Fotos, desenhos, anotações. Ler um pouco e conhecer as pessoas. Tentar entender o tempo da casa e da minha produção/relação com ela.

Levarei comigo um livro base para esses primeiros dias e estarei por lá pela manhã até a hora do almoço. Tentarei publicar aqui essas primeiras impressões.

até!

quem quiser vai lá, vamos lá.

Beba

primeiro encontro

Já se passou quase uma semana daquele primeiro encontro com os artistas, o Basbaum e a equipe da Casa, mas foi impossível escrever aqui antes. Estamos com os últimos detalhes da casa e do Ateliê Aberto tomando todos os nossos minutos.
Mas foi bom passar essa semana pensando sobre as primeiras impressões antes de escrever.

E eu tenho uma coisa principal a dizer: que turminha bacana essa que a gente arrumou!

Foi ótimo ver todo mundo junto a primeira vez. Conversamos sobre baratas (como já disse a Mari), sobre insônias, sobre passados e desejos futuros. E chego a conclusão de que temos as melhores pessoas para este momento inicial da Casa Tomada.

1o_encontro03

1o_encontro01

1o_encontro02

estamos muito felizes!
esperando o início do Ateliê Aberto amanhã.
acompanhem pelo blog da Casa, do Basbaum e dos artistas!

assinatura

Vamos tomar a casa!

é com pânico e alegria que daremos início a nossa convivência – vou dizer que adoro esses ingredientes justamente quando estão assim: juntos em um mesmo liquidificador! me lembra paixão, que é a energia que me move.

Estava fazendo um trabalho sobre isso um tempo atrás. Saímos as ruas com bexigas coloridas perguntando para as pessoas de maneira simples e direta: “Qual é a energia que te move?” Com uma caneta grossa elas escreviam nas suas bexigas e soltavam pela Paulista (vamos fazer essa energia fluir pessoal!!)

Aproveito e deixo a pergunta aos integrantes da casa (e a quem desejar responder)

– qual a energia que te move?

sonhei com uma chuva de maças do amor essa noite. e acho que tem tudo a ver com isso!

termino meu primeiro post sorrindo!

e acho um bom sinal!!!

A primeira vez a gente nunca esquece

Bom, a pedidos da platéia:

alô, alô, som. som. testando, alô-som. um dois três.

Então um real post teste pra pegar o jeito aqui do blog e de todas as frescurites que eu bem gosto e abuso. Um primeiro post de word press e um primeiro envolvimento assumidamente artístico e um primeiro projeto tão diferente dos que já vi/vivi(venci?). Uau, poderia até citar madonna, mas lhes poupo. Então enquanto marinheira de primeira viagem com aquele nível de excitação adolescente de quem nunca abriu o zíper de outra pessoa, inicio meu diário de bordo com o primeiro encontro com a tripulação! (chega de metáforas náuticas, até eu estou mareada. Essa foi a última, prometo.)

Bom. Tinha uma mesa cheia de quitutes, garanti meu lugarzinho no meio de tudo pra poder passar as primeiras duas horas comendo e… que mais? Ah sim, conversamos sobre baratas e outros seres voadores, combustão espontânea, tratados sobre barquinhos de papel, caipirismo-tunado, perda de memória, frigobar… E tinha bis e batom, sette-belo, tuna fish, coalhada seca.. Ah, já havia falado da comida.

Bom, acho que é isso de mais importante! Mal posso esperar até quinta que vem, será que sobrou um cadim de carne louca?

impressões primeiras

Hoje aconteceu o primeiro encontro dos artistas convidados com o sérgio e com as meninas da casa.

Tô com uma sensação mista de excitação e pânico. O projeto é incrível . As pessoas são interessantíssimas. Tudo muito bem articulado.

Não tenho a menor idéia do que vou produzir, não pensei em nada. Quero muito me alimentar dessas influências todas, e dessas novas referências que estão surgindo. É uma chance incrível pra crescimento pessoal e pra amadurecer o trabalho.

Até hoje eu precisei muito do silêncio, solidão e tempo pra produzir. Quero aproveitar uma condição diferente pra experimentar outras formas de fazer, pra experimentar um processo mais aberto e permeável.

Um mês.  será que eu consigo?

Espaço independente reservado para práticas, investigações e reflexões de caráter artístico, baseado na cidade de São Paulo.