Parceiros

SESC | Videobrasil

Teto Projects

Fresh Milk Barbados

Arte Institute

Delfina Foundation

Agora Collective

Prólogo Selo Editorial

Apoio

Electrica

Moleco

Papelaria Universitária

PROJEÇÃO na SALA

Na próxima quinta feira a Casa Tomada da início ao programa PROJEÇÃO na SALA

projecao na sala flyer

PROJEÇÃO na SALA convida todo mês um artista ou pesquisador para apresentar uma sessão de projeções que sejam referências ou parte de suas pesquisas. Com um formato livre, a sala da Casa Tomada se torna um ponto de encontro para o compartilhamento desse material e um espaço de discussão sobre os trabalhos em desenvolvimento.

Para dar início ao programa, as artistas em residência do Casa Tomada + Fresh Milk, Janaína Wagner (São Paulo) e Versia Harris (Barbados), apresentam nos dias 25 de junho e 1º de julho a programação criada em função de suas pesquisas durante a residência. Além das projeções as artistas também apresentam parte de seus trabalhos.

Na quinta feira, 25 de junho Janaína Wagner projeta Satantango (Sátántangó), um drama apocalíptico dirigido pelo diretor húngaro Béla Tarr. Com duração de aproximadamente 7 horas, a projeção terá início às 18h e seguirá durante toda a noite. Como se trata de um filme construído sem ordem cronológica e dividido em 12 partes, o público poderá entrar a sair da Casa Tomada a qualquer momento dentro do horário da projeção.

E na quarta feira, 1º de julho, Versia Harris, artista caribenha projeta o filme dinamarquês O Guerreiro Silencioso (Valhalla Rising), de 2009, dirigido por Nicolas Winding Refn. Com imagens que remetem à paisagens entre o real e a fantasia, o filme é uma referência visual para a pesquisa atual da artista.

PROJEÇÃO na SALA

25.06 (quinta feira) a partir das 18h
Janaína Wagner projeta Satantango, um filme de Béla Tarr
+ pesquisa em andamento

01.07 (quarta feira) a partir das 19h
Versia Harris projeta O Guerreiro Silencioso, um filme de Nicolas Winding Refn
+ pesquisa em andamento

Ciclo de Pesquisas | Gabriel Bogossian e Carlos Guzmán

Saiba mais sobre as pesquisas de Gabriel Bogossian e Carlos Guzmán que apresentam hoje às 20h no Ciclo de Pesquisas 2015!

Gabriel Bogossian discutirá a ideia de patrimônio artístico e cultural brasileiro, principalmente entre os anos 1950 e 1970, e seus vínculos com as disputas territoriais no período. Foi quando o Brasil se tornou um país predominantemente urbano e testemunhou um intenso processo de autocolonização de grandes áreas do Norte e do Centro-Oeste. A abertura de rodovias e a forma como a arte contemporânea aborda esse repertório de questões são os eixos condutores dessa investigação.
10423704_852218361538776_4977399414123013829_n

Carlos Guzmán apresentará uma análise do conceito de ‘montagem’ cinematográfica na obra do Jean-Luc Godard e sua identificação com as noções de ‘história’ e ‘arquivo’. O artista irá propor ‘exercícios’ que procuram explicar, de modo teórico-prático, a hipótese fundamental do projeto: A ‘montagem’ é uma ferramenta que, apropriada pelas artes visuais, gera conhecimento e permite reordenar a história.

10360958_852218334872112_6875342529340079768_n

Ciclo de Pesquisas | Fabio Zuker e Lucila Gradín

Saiba mais sobre as pesquisas de Fabio Zuker e Lucila Gradín que apresentam hoje às 20h no Ciclo de Pesquisas 2015!

Fabio Zuker apresentará “As Fronteiras da Modernidade: temporalidades e produções artísticas”. Nesta pesquisa, Zuker se debruça sobre trabalhos de arte recentes que revisitam pontos centrais do modo como a modernidade articulou uma leitura específica da história. Tais categoriais temporais foram essenciais para a maneira como a modernidade imaginou sua posição de evento único. A partir de um diálogo entre os campos da antropologia e da arte, o pesquisador reflete sobre o esgotamento dessas categorias e seus possíveis desdobramentos políticos hoje. Essas questões serão trazidas a partir do trabalho Inferno, da artista israelense Yael Bartana, que marcou a última Bienal de São Paulo.
19205_848836075210338_5269328404161841605_n

Lucila Gradín, artista argentina em residência em São Paulo, apresentará o projeto que está desenvolvendo no país. Em diálogo com biólogos, a artista busca estabelecer relações entre natureza e arte. Se aproximando da disciplina da ciência, Gradin busca o conhecido dentro do desconhecido, como uma semente de milho nascendo e crescendo dentro de si mesma.
11053677_848846368542642_7651203192942272239_o

Ciclo de Pesquisas | Vítor Grunvald e Juliana Monachesi

Saiba mais sobre as pesquisas de Vitor Grunvald e Juliana Monachesi que apresentam hoje no Ciclo de Pesquisas 2015!

Vitor Grunvald desenvolve doutorado na área de antropologia visual sobre políticas e poéticas do travestimento. Na sua pesquisa, utiliza a metodologia e a imaginação etnográficas para explorar imagens e performances produzidas tanto no cotidiano de pessoas que se travestem quanto em experiências artísticas que brincam e subvertem noções estabelecidas de gênero e sexualidade.

21274_845225045571441_6827934514610212098_n

A partir da obra do artista norte-americano Kehinde Wiley, produção focada em uma reescrita da história da arte da perspectiva de um artista negro e gay, Juliana Monachesi fará uma apresentação sobre o debate acerca da “arte pós-racial.

11136260_845225062238106_2191769988379446208_o

Ciclo de Pesquisas | Janaína Wagner e Luísa Nóbrega

Saiba mais sobre as pesquisas de Janaína Wagner e Luísa Nóbrega que apresentam amanhã às 20h no Ciclo de Pesquisas 2015!

Janaína Wagner vem pesquisando, através de fotografias, vídeos, desenhos e pinturas, as formas com que o homem representa questões referentes à sua própria finitude – seja através da sua morte em si, seja através de algum tipo de “fim de mundo”. Wagner trabalha com apropriações, em um processo de decupagem de imagens visuais e textuais já existentes e em circulação midiática.

Janaína Wagner

Desde 2012, Luísa Nóbrega busca, de modo quase obsessivo o rastro de múltiplas espécies de vozes desencarnadas, pesquisando fenômenos problemáticos como sessões espíritas, demonstrações de hipnose, vozes sem fonte que soam no rádio, glossolalias, exorcismos. A voz é uma flecha ambivalente que desenha uma rota entre espaços imprevisíveis: biologia e cultura, eu e o outro, a zona úmida das vísceras e o tabuleiro de xadrez da linguagem.

luisa nobrega ciclo